quarta-feira, 11 de junho de 2014

A dedicação da nova catedral de Karaganda e Mons. Athanasius Schneider




A dedicação da nova catedral de Karaganda

Postado em 13 setembro 2012 por E. Marçal

Com informações do site da Diocese de Karaganda
Créditos das imagens da dedicação pertencentes ao álbum da Diocese de Karaganda no Picasa

E ainda há quem diga que o gótico não responde mais aos anseios espirituais de nossos dias. Há também os que defende que o gótico só nos lembram da arquitetura católica fruto de uma época [ultrapassadíssima!] e que deve ficar condicionada a ela, como peças num museu.
“Que hoje esqueçamos o medievo e que nos venha o estéril moderno!”.
Porta da Catedral de Koln
Porta principal da Catedral de Colônia
A maior representação do gótico sacro e modelo para a Catedral de Karaganda
A crítica não se sustenta apenas no moderno, não acreditamos que apenas o antigo, ao sabor da Idade Média, é o que vale. Repudiamos o moderno distorcido e mudo em significado religioso e, principalmente, cristão – como a Catedral de Los Angeles. Contudo, inegavelmente, o gótico e seus derivados ou semelhantes carregam em si mais características transcendentais, usadas ao longo de centenas de anos e por muitas nações, do que traços modernos sem muita ou nenhuma ligação com o âmbito religioso.
Mas, se o gótico seria praticamente comum em nações ou de tradição cristã ou forte influência do cristianismo, como esperar uma catedral em estilo neogótico recentemente construída no Cazaquistão, onde os católicos (romanos e orientais) são apenas 1% da população e foram alvo de uma dura e implacável perseguição durante o falido regime soviético.

Breve histórico

A ideia primordial de construir uma nova catedral, no lugar da velha Sé de São José, começou em Mons. Jan Pawel Lenga, arcebispo (título ad personam) de Karaganda até a sua renúncia em 05 fevereiro 2011. Ele desejava uma nova igreja que oferecesse possibilidades de “evangelização por meio da beleza”, mas também uma expiação visível e permanente dos crimes do regime comunista. Portanto, desde aqui Mons. Jan Lenga quis dedicá-la ao patrocínio de Nossa Senhora de Fátima, que alertou aos Pastorinhos dos pecados a que o mundo assistiria nos anos seguintes à sua aparição.
Inspirados no exemplo mais marcante da arquitetura gótica – a Catedral de Colônia, o projeto da nova igreja foi desenhado em esboço do arquiteto alemão Dr. Karl-Maria Ruf, com as modificações estruturais necessárias às condições climáticas locais definidas por um arquiteto local, Vladimir Gregorevitsch Sergeyev.
Providencialmente, em 13 maio 2003 as autoridades civis de Karaganda decidiram favoravelmente ao pedido da Diocese sobre um terreno situado numa área no sudoeste da cidade, área mais visível que a da Velha Sé. Quatro dias depois, o Cardeal Angelo Sodano, então Secretário de Estado, convidado pelo Presidente da República Nursultan Nazarbayev Abishevitsch, abençoou o terreno e a pedra fundamental da construção.
O então Pe. Athanasius Schneider e o Arcebispo conversaram exaustivamente com uma sociedade laical austríaca inclinada a cobrir os custos financeiros da edificação da nova catedral. E assim foi estabelecido.
Mons. Athanasius Schneider
Sem dúvida alguma, Mons. Schneider, professo na Ordem da Santa Cruz, foi quem mais contribuiu individualmente com esta audaciosa iniciativa. E colaborou ainda mais quando foi eleito em 2006 Bispo Auxiliar de Karaganda. Desde então e simultaneamente, ele tem se desenhado na Igreja como um jovem bispo (atualmente com 51 anos) defensor de uma liturgia tradicional, e audacioso ao sugerir, e causando um alvoroço na plateia que o ouvia num congresso em Roma, que o Papa publicasse um novo Syllabus, desta vez contra os erros de interpretação do Concílio Vaticano II. Mons. Schneider é fluente no português, uma vez que ele estudou e foi professor no seminário de Anápolis (Goiás), um dos redutos tradicionais brasileiros.

A dedicação litúrgica

Mons. Janusz Kaleta
Com tantas peculiaridades – histórico do povo e significado espiritual do edifício, o bispo de Karaganda, Mons. Janusz Kaleta, nomeado em fevereiro de 2011, apresentou o pedido que o Papa Bento XVI dedicasse a nova catedral. Para isto ele nomeou um legado seu, o Cardeal Angelo Sodano, Decano do Colégio Cardinalício, para presidir a cerimônia com rito de dedicação da igreja e sagração do altar no último domingo, dia 09.
Mons. Konrad Krajewski
Um dos cerimoniários pontifícios e a quem coube a direção do serviço litúrgico da dedicação
O eminente prelado chegou ao Cazaquistão no sábado, dia 08, acompanhado dos outros 2 membros da delegação pontifícia: o mesmo Mons. Athanasius Schneider, hoje Bispo Auxiliar de Astana (capital do País), e Mons. Konrad Krajewski, o 2º cerimoniário das celebrações papais, que dirigiu a Missa com rito de dedicação.
Na Missa estiveram presentes, além dos 1.500 fiéis, bispos orientais unidos à Roma, delegações de Igrejas Ortodoxas locais, de comunidades islâmicas (47% dos mais de 17 milhões de habitantes): uma prova das boas relações que os católicos mantêm com as outras confissões cristãs e até mesmo com o governo civil, a ponto deste se sentir honrado com a construção e a beleza da nova catedral, um gesto de que a Igreja Católica é favorável à promoção da cultura. Não obstante, há falta de sacerdotes e de recursos financeiros para a construção de novas igrejas.
É de se notar que não houve a assistência de diáconos na Missa, como também é surpreendente a nobre simplicidade dos paramentos e demais objetos sacros, demonstrando que, realmente, a construção foi laboriosa e que, apesar das condições, é possível oferecer um culto digno do Senhor.
Para mais informações, inclusive sobre as 14 pinturas encomendadas para a cripta da Catedral, leia a entrevista com Mons. Schneider.
 

Sem comentários:

Publicar um comentário